7.4.08

NAN MADOL


Na pequena ilha de Temuen, no oceano Pacífico,fica situada Nan Madol um conjunto de 82 ilhas artificiais com construções e fortificações em pedra e uma idade estimada em 200 anos antes de Cristo. Alguns dos 400.000 blocos de basalto destas construções chegam a pesar 2.500 Kg.Quem construiu esta Veneza do Pacífico e como as pedras foram transportadas pelas selvas húmidas e pelas águas pouco profundas do mar, é um enigma. Nan Mandol em polinésio significa " o lugar dos espaços livres", sendo conhecido como recife celestial pelas populações locais que acreditam ser ali que os deuses desceram á Terra. As 82 pequenas ilhas artificiais têm alicerces aquáticos formados de pedras maciças , preenchidos com fragmentos de pedra e de coral. Por cima foram construídas habitações semelhantes a pequenos fortes que resistem às investidas do mar. Que conhecimentos de engenharia ou máquinas poderosas possuiriam os seus construtores ? Seria esta a mesma sabedoria que permitiu, na Europa da Idade da Pedra, erguer menires e outras construções idênticas com preceitos astronómicos ? É que David Childress, arqueólogo americano, descobriu em mergulhos a 25 m de profundidade,monólitos em posição vertical, em linha perfeitamente recta que termina nas profundezas do oceano. Nan Mandol foi uma cidade grande ,com um verdadeiro labirinto de corredores subterrâneos. Para Walter Langbein, especialista em assuntos de astronáutica, este sítio era o local onde "seres das estrêlas" desciam á Terra. Segundo ele, os túneis subterrâneos onde circula água que alimenta lagos artificiais em ilhas artificiais, não foi obra de seres humanos, mas de seres inteligentes anfíbios de outro planeta. As lendas da Polinésia falam do seguite : " Em tempos remotos desceu dos céus uma canoa. Não chegou vinda do mar alto, mas dos céus que ficam por cima. A bordo vinham três homens. Esse barco voador veio ter a Nan Mandol tendo pairado no ar sobre a ilha. Os homens do barco convidaram um chefe local para ir a bordo e juntar-se a eles. Depois partiram e ,quando voltaram, esse chefe tornou-se o primeiro rei " . Consta que durante a ocupação Japonesa, entre 1919 e 1944, mergulhadores da marinha terão encontrado debaixo de água não apenas o que resta das residências, das estradas e das abóbadas, mas também algo que surge nas lendas, a casa dos mortos, onde estariam sepultados os antigos governantes. Os mergulhadores da armada japonesa terão encontrado caixões feitos em platina, perfeitamente estanques, tendo trazido pedaços deste valioso metal. Espantoso é o facto de numa relação dos principais bens exportados em 1930, constar platina, juntamente com a baunilha,tapioca e madrepérola. Este valioso metal deve ter enriquecido os cofres do Império Japonês durante muito tempo, só terminando quando dois mergulhadores não regressaram das suas excursões subaquáticas ao sítio onde estavam os caixões de platina. Este é mais um ENIGMA DA ANTIGUIDADE, semelhante ao que publicámos em Janeiro de 2008.

1 comentário:

J.Silva disse...

Não será possível a cidade ter sido toda acima de água e ter afundado depois? Não vi este ponto esclarecido.Fica no entanto o problema da platina numa região onde não a há e parece ser rara na terra.

Arquivo do blogue