19.8.08

FILOSOFANDO


Há dias ,sentado diante do computador, pensava num novo tema que interessasse aos meus leitores do NOVAS quando me surgiu na cabeça aquela frase de Descartes :" penso, logo existo ". Mas por que surgiu aquela frase no meu consciente e como se formou?- continua a ser um enigma.É que os pensamentos sejam eles geniais, delirantes, tristes ou alegres,jorram constantemente sem sabermos a sua origem. Eu sei que os filósofos empiristas afirmam que os pensamentos nascem das nossas sensações e que outros, já no sec XIX, afirmavam que eles resultavam das sensações que se combinariam com ideias simples,originando ideias abstratas mais complexas que seriam a base dos pensamentos.Neste momento comecei a sorrir ao lembrar-me de Mill quando dizia :" Vejo um cavalo :é uma sensação. Penso no dono do cavalo : é uma ideia. A ideia do proprietário faz-me pensar que o seu cargo é ministro do Estado: é outra ideia. A ideia de ministro faz-me pensar em cargos públicos e eis-me envolvido numa série de ideias políticas.." Assim estou eu enredado numa série de pensamentos sem saber como eles surgem. Como é que eu saio disto ? Eles ensinaram-me que as ideias são fruto de uma mistura aleatória de sensações externas e de processos cognitivos internos. No cérebro as ideias saltitariam de forma inconsciente até que alguns destes elementos de pensamento se combinariam como peças do Lego, para produzir uma nova ideia. Mas em que consiste este jogo do Lego cerebral ? Estou como no princípio : mistério!.Também sei que é o cortex pré-frontal que funciona como chefe de orquestra, pois lá convergem as sensações de visão e da audição e também zonas ligadas á memória .Esta ligação privilegiada assegura as funções cognitiva de alto nível, tais como planificação e criatividade. E eu continuo sem criar nada para os meus leitores. Sabemos que pensamos mas não sabemos como pensamos. Isto é mais um enigma da ciência ou a prova da nossa ignorância. Agora surgiu o Sócrates: Só sei que nada sei ". Isto assim não vai lá. A minha área é a ciência pura dos números , das leis físicas e químicas, dos quantas e de outras coisas que tais, mas como o tema está na memória do computador,vou publicar. A propósito, a memória do computador é como a nossa? Isto dava outro artigo ! Não, não me meto nessa aventura. Até breve com um tema da minha área de saber e continuem a visitar o wwwnovas.blogspot.com

6 comentários:

Elisa Pacheco disse...

Um texto que nos leva a pensar.

Patrícia Pires disse...

Um texto muito interessante. Filosofar conscientemente é sempre um passo além.

Pedro Henrique disse...

Gostei das reflexões.Filosofar é uma necessidade humana

Elisabeth da Silva disse...

Refletir se a memóia do computador é como a nossa é pura perda de tempo? Claro que não.

Raimundo Lucena disse...

Nogueira o teu blog é de muita utilidade para pessoas leigas em Ciência. Aprendi muito.

Berenice Furtado disse...

Caro J. Nogueira,filosofe. Filosofar é parte do viver.

Arquivo do blogue