15.12.08

MEDICINA DO FUTURO



Quando escrevi sobre a Medicina do passado, logo me ocorreu que alguém me perguntaria como seria a medicina do futuro. Dessa forma alinhavei algumas linhas , baseando-me no que se sabe sobre genética, robótica, informática, células estaminais e outras descobertas como a tão falada nanotecnologia. Quem já viu filmes de ficção científica observou que os médicos eram auxiliados por máquinas inteligentes e humanoides robóticos. O que nesses filmes era pura ficção, começa agora a não o ser dando ,como exemplo,o que se passa na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra onde uma equipa liderada pelo Prof. Rui Cortezão está a desenvolver o projecto de um robot que, dentro de seis anos, poderá estar a ser usado em hospitais para cirurgias minimamente invasivas. Designado de WAM difere ,de outros já existentes, pela melhor telemanipulação e telepresença, garantindo ao cirurgião uma sensação de contacto de alta definição. Será usado em cirurgias realizadas através de pequenos orificios ou de aberturas naturais. Na América , estão em fase experimental uns óculos que usando pequenas telas de cristal líquido, projectam uma imagem tridimensional dos ossos do paciente, gerada por computador. Saíndo do capítulo robótico, outros avanços na medicina, como é o caso das células estaminais, permitem sonhar em regeneração laboratorial, de órgãos lesados , ou mesmo criação de órgãos completos,pois já foi provado laboratorialmente que uma célula estaminal adulta é capaz de se modificar em qualquer outro tipo de célula, independentemente do seu tecido de origem, desde que cultivada em condições adequadas. A ser assim,no futuro, serão anuladas certas questões ético-religiosas e os problemas de rejeição de transplantes, por serem usadas células estaminais do próprio paciente,tornando-se assim possível imaginar o fim das filas de espera por um dador compatível. O jornal Correio da Manhã ,de 20-11-2008,noticia que uma mulher de 30 anos, a viver em Barcelona, sofreu um transplante de traqueia construída com células estaminais da própria. A conhecida revista médica LANCET publicou os resultados positivos deste transplante,ocorridos cinco meses após a operação. As células estaminais são células com grande capacidade de se replicarem naturalmente,dando outras semelhantes. As células estaminais encontram-se na medula óssea,sangue, placenta e líquido amniótico podendo, segundo técnicas especiais, dar células diferentes como as do tecido ósseo, muscular,nervoso etc.

A micro-electrónica está também dando uma ajuda á medicina do futuro. Cientistas desta área de conhecimento estão aptos a dar audição a surdos profundos e imagem a certo tipo de cegueira recorrendo, neste último caso,a eléctrodos implantados no cérebro e a mini-câmaras de vídeo instaladas em óculos. Uma outra ideia curiosa surgiu do facto de alguns fabricantes de automóveis terem criado um dispositivo electrónico capaz de detectar o bafo de um condutor alcoolizado e desligar o motor .Aliando esta invenção ao facto de se estarem a treinar cães para que, com o seu olfacto apurado. detectem doenças ainda no seu início, pensa-se em criar um robot olfactivo que venha a fazer o trabalho canino. Com a nanotecnologia prevê-se a criação de máquinas de tamanho inferior ao de uma célula que, percorrendo todo o corpo pelos vasos sanguíneos, façam reparações a nível celular. Estes avanços são forçosamente lentos mas há outros a caminhar mais rapidamente, como o robot-enfermeiro que separa ,na farmácia hospitalar, a medicação prescrita a cada doente e faz a sua entrega personalizada, sem erros e a tempo e horas, registando parâmetros clínicos do paciente , enviando-os, em tempo real , ao médico.

Segundo a opinião do Dr. Nuno Nine existe já moderna tecnologia de diagnóstico. Através do varrimento eléctrico intersticial ( VEI) é possível uma análise , em tempo real, de parâmetros fisiológicos dos tecidos dos orgãos através do seu líquido intersticial. É a medicina quântica ou informática que possibilita ,em três minutos, fazer uma análise geral ao doente ,sem agulhas, recolha de sangue e outros métodos invasivos, apenas medindo impedâncias bio-eléctricas de uma mais que fraca corrente eléctrica aplicada , com eléctrodos, sobre a pele. Desenganem-se no entanto aqueles que pensam que algum dia será vencido o inexorável ciclo do nascimento- vida- morte pois,quando muito,será retardado no tempo, havendo uma longevidade maior com o auxílio robótico.

Mas será o Homem feliz num mundo de robots ? Não se tornará ele um escravo da máquina? Não será este o seu fim como espécie animal? São perguntas angustiantes de resposta difícil de enunciar. Há quem afirme que a medicina do futuro não vai necessitar de robots, pois será criado o homem geneticamente modificado, imune á doença e a medicina servirá apenas para reparar danos acidentais. Será assim ou teremos de admitir que a Natureza pode também criar novas formas de vida que ataquem o homem modificado? Criar-se-á novo homem ,respondem os optimistas. Mas ao fim de várias mutações, será ainda aquele ser um Homo sapiens,sapiens , ou outra coisa qualquer ?-pergunto eu .

4 comentários:

Anónimo disse...

Oi Dr. Nogueira, como gostei de ler mais um dos seus artigos, este importante trabalho junto da medicina ! Como amante da electrónica, tudo onde ela entra, me atrai !
Parabéns por mais este seu trabalho.

Mário de Portugal

常州麻将 disse...

Very rich and interesting articles, good BLOG!

Júlio disse...

Gostei do que li

Farming Net disse...

After reading the information, I may have different views, but I do think this is good BLOG!
netting

Arquivo do blogue